RFID aponta para o futuro do controle de bagagens

9 de dezembro de 2019 0 Por Inovacode

 Entendendo o papel da Identificação por Rádio Frequência no serviço aéreo.

 As bagagens deveriam ser tão valiosas para as empresas de aviação quanto para os passageiros. Malas extraviadas não são apenas dinheiro bruto perdido, mas também a possível perda de confiança de um cliente fiel.

Há diversas iniciativas e colaborações sendo feitas para tornar a gestão de bagagens mais eficaz e a indústria agora se compromete com tecnologias de rastreamento em pontos-chave.

Identificação por Rádio Frequência (RFID) é a chave para a transformação do processo de manuseio de bagagens. Dentro de quatro anos, a maior parte desses sistemas será baseada em RFID. 

Uma sessão apresentada no Simpósio Global de Passageiros & Aeroportos(GAPS) destacou as oportunidades e desafios do processo de implantação de um sistema RFID. A tecnologia traz múltiplas vantagens, como por exemplo, expandir a capacidade de saída  e possibilitar cortes de gastos num âmbito geral.

É, também, uma plataforma para uma melhor experiência do passageiro, provendo transparência de localização e status da bagagem, facilitando excelência operacional e diminuindo taxas de extravio.

Consideremos uma bagagem extraviada. Com a RFID, a companhia aérea agora pode enviar uma mensagem ao passageiro, eliminando a necessidade de pegar fila, e informando exatamente quando e onde a mala será entregue.

Talvez mais importante que isso, a RFID estabelece um banco de dados extremamente valioso que abre caminhos para futuras melhorias, como inteligência artificial. Dados confiáveis abrem um mundo de possibilidades. Com visibilidade ponto-a-ponto, uma mala digital pode informar seu estado em tempo real para os interessados, tornando-se um componente essencial em serviços personalizados. 

Desta forma, é importante notar que tags RFID não só podem ser lidas como também gravadas. Modificar o conteúdo cria benefícios adicionais, como, por exemplo, mudanças de planos de voo.

A proteção desses dados será vital. Há um número de interessados nos dados da bagagem, do passageiro a linhas aéreas, aeroportos e lojistas que podem oferecer serviços auxiliares para os passageiros. Regras robustas e organizadas de distribuição de dados devem prover a transparência necessária.

Outro desafio é garantir uma cooperatividade eficaz na implantação e nos serviços. Tanto a companhia aérea quanto o aeroporto precisam se envolver com o sistema RFID. Apenas um esforço colaborativo pode garantir os benefícios mencionados.

As companhias aéreas obviamente possuem interesses ulteriores nas bagagens, mas os aeroportos também. Com tantos problemas de capacidade de carregamento, um serviço de gestão de bagagem mais eficaz poderia economizar tempo, espaço e dinheiro.